quarta-feira, 30 de maio de 2012

Direto ao ponto.

Sem delongas, sem rodeios. Vim falar de você. Você que sempre aparece na maioria dos meus textos, com maior ou menor importância. Mas é que hoje todas as palavras e pontos são seus. Mesmo sabendo que meus maiores segredos são ditos nas entrelinhas.
            Você sempre dura até minha querida liberdade bater a porta. Sem jeito você sai de mansinho, mas parece ficar atrás da porta, esperando uma brecha e correr para entrar. É que eu nasci para ser assim, livre. Você... Você deveria aprender as ser livre também. Livre comigo. É que dá sim pra ser livre, JUNTO.
            Meu coração quase não suporto. De tão grande. Coração que quase me engole. Meus pensamentos, tão imensos, quase me enlouquecem.  Os dois insistem em dividir o mesmo espaço.  E dentro de mim é sempre essa “Guerra Fria”. Razão X Coração
         Sou rebelde pra maioria, mansinha pra quem merece. Não gosto de quase ninguém e na maioria nem faço questão. Não gosto de meio termos. Sagitarianas vivem de extremos. Não é o que dizem? – Não me importo com quase nada, mas o pouco que me importo, é T U D O pra mim.
            Já deu pra ver que até no decorrer das palavras eu me perco de você. Vem você e me acha. Sei que nunca se foi. Sei também, que não vem quando chama. Vem quando QUER. Mas é que ainda ACHO que posso te mandar de volta. Te querer talvez mais tarde, ou em outra hora.
            O fato AMOR, é que você chegou. Chegou e não consigo dizer ainda, se quero que fique. Mas se for ficar te peço: Fica, mas fica por inteiro. De um jeitinho tímido venho pedir: Fica e me faz ser sua. Não me impeça de querer ir, mas me faça querer voltar. De um jeito sem vergonha, também venho pedir: Fica e me faz desejar. Desejar só você. E só.
            Juro que sou fácil de lidar (Mesmo que não pareça). Como dizia vovó: mais transparente que água de mina. É só ler. Ler o que está escrito no meu rosto, estampado nos meus olhos. Só não tente me descobrir. Por que também sou feita do que não sou e do que não fui. Me perco em mim. Nessa minha maneira de querer explicar tudo, me perco no que eu queria mesmo explicar. Nessa minha MANIA de querer facilitar tudo é que me complico. (Repare: extremos. É TUDO ou NADA!). Voltamos então a “Guerra Fria” inicial. Razão planeja, coração guia. Como pode isso, dar certo?
            É tanto querer. No final me pego perguntando: O que eu queria mesmo? A questão é que eu não queria você. Estou ainda me perguntando se te deixo entrar, faço sala com xícaras chá e torradas. Ou fecho logo a porta. A verdade é que você veio e trouxe alguém, e tem muita gente por aí que jura que você já entrou, sentou, pós os pés no sofá e até trocou os canais da TV.  
                        










                  "Num tempo onde as pessoas mal têm tempo, amar virou coisa de gente corajosa." Fernanda Mello 

5 comentários:

  1. Tenho orgulho de você !!!!
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Coração mais quente e acolhedor que o seu está pra nascer amiga!!! Tolos os que pensam o contrário! ;)

    ResponderExcluir