quarta-feira, 18 de abril de 2012

Amigos que cantam pra mim


    Outro dia foi Ana quem cantou pra mim, hoje foi Zeca. Lembra o que eu disse antes sobre o que as músicas são para mim? - “Ando tão à flor da pele, meu desejo se confunde com a vontade de não ser”  e que é tanta coisa pra querer, que por fim eu já nem quero tanto. Mas certeza tenho do que quero ser. É que eu planejo, crio regras e métodos, pode vir meio mundo de gente me dizer que não é certo, pode não ser pra vocês, pra mim é. Mesmo sabendo que não vivo só, sei que metades dos meus planos são individualistas e diria até egoístas. Na verdade já deu pra sacar que quem é individualista e egoísta sou eu. Não é de se orgulhar eu sei, mas acredite isso facilita muita coisa.
    “Se eu digo: Pare! Você não repare no que possa parecer”. Não da pra ir deixando as coisas irem assim, acontecendo. Já disse isso aqui uma vez. Situações são controladas. Pessoas são controladas. Não tem nada de poético nisso, mas é bem assim que as coisas funcionam.  Deixar tudo fora do controle às vezes é bom, MUITO BOM, mas sempre, se torna tão pouco e diria até, menos surpreendente. Mas aí quando eu perco o controle vem Zeca e joga na minha cara. Por que eu teimo em dizer que “amo você, se eu não sei dizer o que quer dizer” e acho que nem sei realmente quem  é “você”, na verdade você sou eu, e a ninguém vai entender isso quando ler, por que nessa oração, verbo e sujeito se confundem, fico me perguntando Zeca, se realmente essa oração existe mesmo pra mim.
    “Às vezes me preservo noutras, suicido”. Eu sei, mas é que não da pra manter uma constância sempre, tenho controle sobre muita coisa, mas sobre eu mesma às vezes falho. E isso me torna ridícula, sei disso também, controlar tanta gente sem ao menos controlar a si mesmo. Mas isso não significa que alguém me controle, não significa mesmo. Que fique bem claro Zeca.
    Usando a teoria de outro amigo, que diz que preciso de pólvora, por que sozinha ascendo pouco.Vêm você e me faz me sentir menos só e até o Sr. Baleiro sabe disso. “Quando você chega nega fulo boneca de piche flor de azeviche você me faz parecer menos só”. Menos só e mais forte. A distância desaparece mesmo com todos esses quilômetros. E até Zeca já sabe, que por conta disso, odeio medicina.
    “Eu me flagrei pensando em você” e isso de fato me assustou, por que de você, nem mesmo Zeca pode falar, mas outro amigo meu, Samuel, me contou que “realejo e ancestrais juram que eu não deveria querer você”, Baleiro opinou dizendo que sou proibida pra você, daí veio Samuel retrucando que é “pecado te perder”. Me perdi nessa confusão toda e confesso que deixei essa discussão pra outro dia. Não tá em tempo ainda, nem mesmo no tempo de dizer por que ainda não é tempo.
    Zeca me disse também que sou amor e flor menina de um bando de garotos. E esses garotos são o meu porto seguro. Por que ser a menina dos garotos torna minha vida tão mais divertida. Essa coisa de ser “meio menino” tira esses dramas de mulherzinha da vida, nem todos, já disse que essa mania de escrever em blog é muito de mulherzinha. Mas É FATO que mulherzinha sou, ok ? Rs.
    “Sem se preocupar com amanhã” eu vou pra Babylon pra de tudo provar champanhe, caviar. E faço das suas palavras minhas meu caro amigo Zeca Baleiro:
     “A depender de mim os psicanalistas estão fritos, eu mesmo é que resolvo os meus conflitos com aspirina amor ou com cachaça, os gritos todos virarão fumaça. A dor é coisa que dói e que passa. Curar feridas só o tempo há de curar. Toda regra para o bem da humanidade é certo necessita de uma exceção

Minha exceção, eu hei de conhecer um dia .

2 comentários: